Intitulada Magna Sperb / Pele e Sombra, a mostra apresenta 15 esculturas em aço carbono oxidado. A abertura acontece no dia 5 de fevereiro, às 18h30 com entrada é franca

No dia 5 de fevereiro, às 18h30, a artista Magna Sperbinaugura a exposição Magna Sperb / Pele e Sombra, no MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul. Com curadoria de André Venzon, a mostra – que fica em cartaz até o dia 12 de maio – apresenta 15 esculturas em aço carbono oxidado, produzidas entre 2016 e 2018. As peças inspiradas em elementos orgânicos e artesanais – como tramas, redes, telas, panos, cipós, galhos, cascas, raízes, teias e ninhos – são tapeçarias metálicas finas e delicadas que, colocadas sob a luz, projetam sombras em formas de desenhos, sugerindo movimento e leveza.

Para o curador André Venzon, mais que o reconhecimento da trajetória artística de Magna Sperb – que trabalha no campo do desenho, da pintura, da fotografia e da escultura -, a exposição propõe a expansão de sua obra. Conhecida no meio da arte e também da arquitetura – Magna prestou assessoria em cor para projetos arquitetônicos durante quinze anos – a artista retoma a poética da transformação, que caracterizou etapas anteriores da sua pesquisa artística no campo da representação. “Da pintura na tela, para os recortes em MDF, depois para as revistas e destas para o outdoor, agora são as placas de aço que traçam e expressam todos estes caminhos, processos e trânsitos que entranham a sua criação artística que continua a se metamorfosear e nos surpreender”, afirma Venzon em seu texto curatoria.

Os estudos de tramas, cuidadosamente colecionados pela artista, são o ponto de partida para a criação das esculturas de Pele e Sombra. Magna redesenha essas tramas e as tece digitalmente, trabalhando em seguida o aço carbono com corte a laser. As peças são dobradas e amassadas à mão e expostas às intempéries do tempo, para adquirir textura. “Minhas esculturas são intencionalmente incorporadas à própria sombra: delicadas, leves, quase um desenho no ar, mas agressivas, com pontas que riscam o espaço. Valorizar tanto a sombra como a forma é aceitar e compreender que cada coisa é muito mais do que se vê e se percebe”, afirmaMagna Sperb.

“É na subtração, no recorte e na ausência que sua obra se materializa”, explica o curador. “Portanto, tudo tem uma estrutura profunda, até a sombra que provem da arquitetura da luz. Enquanto a natureza e o humano teimam em cobrir e fechar, a artista prossegue a vazar sua pele de aço”, completa.

Serviço

Exposição Magna Sperb / Pele e Sombra

Curadoria: André Venzon

Local: Sala Iberê Camargo, 2°andar

MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul

Praça da Alfândega – Centro Histórico – Porto Alegre- RS

Abertura: dia 5 de fevereiro de 2019, às 18h30

Visitação: de 6 de fevereiro a 12 de maio de 2019 

Horário: de terça a domingo, das 10h às 19h

Entrada Franca