Depois de conhecer o norte argentino, desci para a província de Santa Fé. Ali está uma das cidades que mais queria conhecer no país dos hermanos: Rosario. O município sempre me chamou atenção por ser a terra natal de Fito Páez, um dos meus músicos preferidos. Caminhar na beira do Río Paraná, como diz uma canção, era um de meus sonhos. Há uma linda área verde na beira deste importante curso d’água, ideal para caminhadas e passeios de bicicleta.

Mas não é só isso que a cidade oferece. O principal ponto turístico é o Monumento Nacional a la Bandera. Nesse local foi içada pela primeira vez a bandeira da independência, com ordens do General Manuel Belgrano. Quando construíram o imponente monumento, a ideia era que ele tivesse a cripta de Belgrano, mas seu testamento dizia que queria ser enterrado em Buenos Aires. Outro lugar muito interessante é o Parque de la Independencia. É o maior do município e foi construído para o centenário da independência, em 1910.

Nenhuma dessas atrações foi o que me levou até Rosario. A verdadeira razão foi um show da banda uruguaia El Cuarteto de Nos, uma de minhas preferidas. Eles estão lançando um novo disco, “Apocalipsis Zombi”, e consegui ajustar algumas datas da turnê dentro da minha viagem. No dia seguinte, eles tocaram em Santa Fe. Essa é a capital da província e fica a duas horas de Rosario.

Show do grupo El Cuarteto de Nos

O mesmo Paraná também é referência nessa cidade. Nos fins de semana ensolarados, o calçadão e as praças ao lado do rio ficam cheias de gente passeando ou sentadas na grama tomando mate. Suas águas são usadas em um dos produtos mais conhecidos do município: a cerveja. A cervejaria Santa Fe oferece tours pela fábrica, em que explicam a história da empresa, o processo de fabricação e a criação do “liso”, típico copo santafesino.

A próxima parada da trip foi Rafaela, também na província de Santa Fe. A explicação mais simples para meu desejo de conhecer esse lugar é que eu queria estar na cidade com meu nome. Procurei placas para tirar fotos. As encontrei nas duas estações de trem. Ambas parecem com estações abandonadas que aparecem em filmes. A antiga está desativada, e a nova é onde param os eventuais trens de passageiros. Foi em um deles que segui para meu próximo destino, Santiago del Estero.

Por Rafaela Ely.